Maria
Prosa e Poesia
CapaCapa
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Descontemplamentos

Quanto tempo, quando tempo viajei em busca de naus à deriva, de canoas furadas e barcos tombados à beira de mares secos e vazios?... Quanto tempo naveguei desertos sem oásis e caminhei por vales de sal sem fim... até desapagar-me de mim... até sentir o nada me desconstruindo inteira... Quanto, quanto tempo andarilhei minhas mãos em retrocessos e trovões de descontemplamentos? E quantas e quantas vezes, me perdi na inutilidade das esquinas ou me deixei levar por paradoxos sem nexo, sem a lógica do viver e da busca do conhecimento e da luz?... Não posso mais me deixar cegar... quero ver o caminho e a verdade amplamente... e, se for mais uma vez possível, me vestir de novos paradigmas... para desabilitar o descarrilhamento cotidiano dos tesouros de vida que me são dados, todos dias, nos jardins de meus sonhos - mãos de aprendiz - acolher...
Maria
Enviado por Maria em 04/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários