Maria
Prosa e Poesia
Capa Textos E-books Fotos Livro de Visitas Contato
Textos
Amor Palpável
 
Busco esse sol impalpável na sombra da madrugada. É que meus desertos noturnos não se deixam guiar por ampulhetas e ponteiros de relógio. O poema me chama. Como o entardecer, incendeia a noite em busca de palavras que me expressem... É que quero falar de amor. Do amor puro, sem medida, que me faz amar e seguir amando. Assim, assim, desse jeito que não caibo mais em mim, só no outro. Esse amor que de fato, não aprisiona, faz elos. Que me faz dizer e repetir: amo, amo, amo, amo. Ah! Como amo! Reconhecer esse amor, aceitar, honrar e entregar a quem se ama de forma incondicional é caminho de paz, remanso de luz... Esse amor puro só é possível na aceitação de si mesma, no autorreconhecimento de sentimentos e emoções... Ele só é possível quando deixo de buscar no outro o que não entregava a mim mesma - a completude em divindade e generosidade - e passo a me amar para compreender e apreender a amplitude e a pureza do amor e então saber amar o outro. Quero falar do amor puro. Esse, amplo, profundo, inerente a minha vida em todos os sentidos e direções. Esse, que preenche tudo de forma sublime e perfeita. De modo que sua plenitude absorve, purifica e ilumina de tal forma que me permite ser feliz por ter capacidade de amar... Compartilhar esse amor, para que quem eu amo seja feliz, passa a ser lenitivo de vida...
Maria
Enviado por Maria em 13/06/2020
Alterado em 13/06/2020
Comentários